A cadeia secreta: Diderot e o romance filosófico

Franklin de Mattos reconstrói o nascimento dos romances filosóficos em “A cadeia secreta”, que oferece uma fina interpretação da origem deste gênero literário paradoxal, inventado pelos filósofos da Ilustração

Em busca de conhecer como surgiram os “romances filosóficos”, cujo expoente é o enciclopedista Denis Diderot (1713-1784), o filósofo Franklin de Mattos traz à tona A cadeia secreta: Diderot e o romance filosófico, lançamento da Editora Unesp.

Ao longo de sete capítulos, numa escrita límpida, concisa e precisa, o livro oferece uma interpretação dos romances filosóficos, gênero literário paradoxal que une em um espaço o homem racional e o homem sensível. “Este livro procura sugerir que, por trás da desordem, há uma unidade de preocupações”, anota Mattos. “Ou uma cadeia secreta, metáfora que volta e meia aparece nos melhores escritores das Luzes e que se aplica indistintamente à natureza, à linguagem, à literatura e até mesmo à arte da conversação.”

No prefácio à obra, a filósofa Marilena Chaui observa que o título é “arguto, pois opera em dois registros simultâneos. É a chave para a leitura da obra literária de Diderot – o materialismo determinista ou a articulação entre necessidade natural e necessidade moral como fundamento da articulação entre filosofia e literatura; mas é também o que estrutura os ensaios de Franklin de Mattos sobre o autor de J­acques, o fatalista”.

“Sou do tempo em que se devia escolher entre experimentalismo e realismo, e meu interesse por Diderot certamente se explica pelo desejo de recusar a alternativa”, escreve o autor. “Como o leitor verá, ele foi um dos fundadores do realismo moderno e, ao mesmo tempo, um inquieto experimentador, sempre em busca de novas formas.”

Franklin de Mattos mostra-nos, portanto, de que maneira obras como Jacques, o fatalistaA religiosaO sobrinho de Rameau e As joias indiscretas transitam de maneira inteiramente inovadora entre a literatura e a filosofia. Chaui acrescenta: “Deixemos ao leitor o prazer de acompanhar as peripécias deste belo livro, que nos fala de um tempo em que a ­filosofia, na tradição de Sócrates e Montaigne, era o prazer da conversação”.  

Sobre o autor
Franklin de Mattos é professor titular de Estética no Departamento de Filosofia da Universidade de São Paulo (USP). Autor de O filósofo e o comediante: ensaios sobre literatura e filosofia na Ilustração (Editora da UFMG, 2001) e tradutor do Discurso sobre a poesia dramática, de Diderot (Brasiliense, 1986; Cosac Naify, 2005).

Título: A cadeia secreta: Diderot e o romance filosófico 
Autor: Franklin de Mattos
Número de páginas: 162
Formato: 13,5 x 21 cm
Preço: R$ 34,00
ISBN: 978-85-393-0729-6