A descoberta do Bicudinho-do-brejo

Por Emanuelle Spack

A realidade representada em lindas ilustrações com o intuito de educar e conscientizar crianças e jovens sobre a natureza e as espécies ameaçadas de extinção é a temática que envolve o conteúdo do livro A descoberta do Bicudinho-do-brejo.

O resultado do trabalho realizado em parceria entre a bióloga Bianca Luiza Reinert, a advogada Adélia Maria Woellner e a artista plástica Kitty Harvill pode ser visto nas páginas de um livro infantojuvenil que conta a história da descoberta do Bicudinho-do-brejo. Adélia, que tem se dedicado à literatura infantil, foi convidada por Bianca para escrever a história e dar vida, por meio da literatura, a uma ave que está em extinção. De acordo com Adélia o livro é destinado para crianças e alunos de escolas do ensino fundamental, mas o público adolescente e adulto também poderá enriquecer seu conhecimento por meio desta obra. “O objetivo desta obra é fazer a apresentação do bicudinho e, com isso, ampliar o conhecimento sobre as suas características e habitat estimulando nos leitores a curiosidade, não só sobre o bicudinho, mas também sobre outras espécies que a natureza tem a nos revelar”, diz a autora.

Idealizadora da Reserva Bicudinho-do-brejo, Bianca que descreveu espécies novas para a ciência e coordenou por mais de 20 anos estudos com os Bicudinhos-do-brejo é a coautora do livro e revela que “a coisa mais importante é tornar todo esse esforço para conservação da natureza e o cuidado com a Reserva Bicudinho-do-brejo cada vez mais conhecidos. A venda do livro irá ajudar financeiramente a reserva.” A Reserva Bicudinho-do-brejo fica localizada em Guaratuba e tem a finalidade de preservar e conservar a natureza numa área em que existem muitas espécies raras de nossa fauna, algumas ameaçadas de extinção.

As ilustrações ficaram por conta de Kitty Harvill que queria um equilíbrio entre o mundo de fantasia de papel cortado dos pássaros e a interpretação mais realista com lápis aquarela da história humana. “Passei dois meses compondo os esboços do livro, decidindo sobre as quebras de página e as imagens que eu queria usar. Livros anteriores que ilustrei usando papel recortado foram bem-sucedidos em atrair jovens leitores para a história”, conta a ilustradora que por meio de seus desenhos quer passar uma mensagem de consciência aos leitores para o cuidado que devemos ter com o planeta e do quão importantes são as espécies com as quais convivemos, “sinto que os humanos têm uma chamada sagrada para proteger este belo planeta que nos dá muito – física, emocional e espiritualmente”.

Lei de Incentivo à Cultura do Paraná
Essa lei funciona por renúncia fiscal em que o Estado destina parte da arrecadação do ICMS – Imposto sobre Circulação de Mercadoria para a realização de projetos culturais. A SEEC– Secretaria de Estado da Cultura através do PROFICE – Programa Estadual de Fomento e Incentivo à Cultura são as entidades que incentivam, fomentam, regulamentam e fiscalizam a realização de projetos culturais em âmbito estadual. As empresas que participam com recursos repassados do ICMS devido, são chamadas incentivadoras, e recebem em contrapartida o marketing cultural, podendo utilizar o plano de divulgação do projeto para veiculação de suas marcas.