Identidade Cultural – da Literatura para a Razão

O projeto é chancelado pelo Ministério da Cultura, por meio da Lei Rouanet, tendo como apoiadores a Universidade Paulista – UNIP, o Instituto Mais Identidade, entre outros.

Reconstruir-se é o tema central do livro Identidade Cultural – da Literatura para a Razão. De autoria de Vanilda Ribeiro dos Santos, historiadora, formada em Direito, produtora cultural, curadoria do Dr. Luciano Dib, especialista em cirurgia bucomaxilofacial, professor do Programa de Mestrado e Doutorado em Odontologia da UNIP e professor-colaborador na UNIFESP, e fotografia de Marcio Lauria Filho, a obra reúne 20 histórias de portadores de necessidades especiais, em alguns casos associadas às suas faces que, em linguagem técnica, recebem o nome de “deformidades bucomaxilofaciais”, as quais lhes impediam de exercer todas as prerrogativas de sua cidadania no exercício de sua identidade social e cultural.

Os personagens foram escolhidos porque reconfiguraram suas trajetórias de vida na redescoberta da autoestima e, assim, tornaram-se protagonistas de suas próprias histórias. Dessa forma, o livro abordará as trajetórias em que o sorriso é sujeito, interpretado na visão de diferentes escritores nacionais e estrangeiros desde o século XIV, convidando o leitor a uma profunda reflexão.

“A ideia do projeto surgiu da necessidade de se criar algo que trouxesse como protagonistas os portadores de necessidades especiais vinculando-os à Cultura, dando-lhes vez e voz, a partir de um contexto literário universal”, ressalta a autora do projeto, Vanilda Ribeiro dos Santos. “Quem melhor para interpretar essas concepções do que aqueles que diariamente lutam pelas condições de acessibilidade em todas as áreas que permeiam seu cotidiano?”, completa.

Para o curador do projeto, Dr. Luciano Dib, a iniciativa da produção do livro e da exposição constitui a genuína forma de unir o sorriso dos personagens à prosa e à imagem. “O sorriso que se pretende ilustrar no livro é menos o ‘sorriso dos dentes’ e muito mais o ‘sorriso dos olhos’, que verdadeiramente expressam o ‘sorriso da alma’! Ao entrar em contato com o relato da história de vida dos personagens, o leitor encontrará uma fonte de inspiração, fazendo que a alegria de viver seja um grande manancial de energia para o dia a dia”, conta.

A realização do projeto contou com o apoio e o incentivo da Universidade Paulista, como meio propulsor de incentivo à leitura, para que os alunos tenham contato com diferentes autores sob a ótica literária humanística. “De fato, a UNIP, além de ser um centro de geração e difusão do saber, cultiva a solidariedade, a inclusão e os valores humanos”, explica Dib. Neste sentido, a busca da identidade das pessoas com deformidades faciais também faz parte de suas pesquisas, tanto que desenvolve projetos na área bucomaxilofacial, em níveis de mestrado e doutorado, desde 2014.

Entre as várias histórias apresentadas, chama atenção a de Carlito Conceição, vítima de um câncer facial agressivo que o levou a utilizar uma prótese, substituindo boa parte de sua face esquerda. Entre o fim de 2016 e o início de 2017, Carlito ficou mundialmente conhecido por ser um dos primeiros pacientes a usar as primeiras próteses faciais em 3D do mundo, produzidas a partir de fotografias tiradas com uma câmera comum de smartphone.

A técnica, que vinha sendo desenvolvida desde 2014 entre o Prof. Dr. Luciano Dib e a especialista em anaplastologia, Rose Mary Seelaus, da Universidade de Illinois, em Chicago, foi tema da tese de mestrado do dentista e voluntário do Instituto Mais Identidade, o peruano Rodrigo Salazar Gamarra. As pesquisas evoluíram até chegar à conclusão da prótese e, atualmente, prosseguem como tema de doutorado em odontologia bucomaxilofacial do dentista peruano, ainda na UNIP e com apoio do 3D designer Cícero Moraes.

Saiba mais sobre o Projeto de Reconstrução Bucomaxilofacial do Programa de Mestrado e Doutorado em Odontologia da UNIP
Com o objetivo de encontrar métodos mais acessíveis de desenvolver próteses faciais, no fim de 2016, o cirurgião-dentista peruano, especialista em reabilitação oral Rodrigo Salazar Gamarra, então residente no Brasil e aluno do mestrado em Odontologia na Universidade Paulista – UNIP, apresentou a conclusão de seus estudos sobre uma técnica inédita, no mundo, para o desenvolvimento de próteses bucomaxilofaciais, em 3D, de baixo custo.

Sob a orientação do Prof. Dr. Luciano Dib, professor do programa de Mestrado e Doutorado da UNIP, as pesquisas apontaram como solução o uso combinado entre a câmera fotográfica de um smartphone comum, aplicativos gratuitos já disponíveis na internet, design e a impressão 3D de baixo custo, para chegar às primeiras próteses faciais do mundo, em três dimensões, produzidas a partir de suportes simples e baratos.

O projeto batizado de +ID Technique (Mais Identidade) teve início em 2014 pelo Prof. Dr. Luciano Dib, com contribuições da especialista em reabilitações faciais (anaplastologia) Rose Mary Seelaus, da Universidade de Illinois, em Chicago. Rodrigo Salazar Gamarra fora convidado pelos acadêmicos a dar continuidade aos estudos, mas como dissertação de mestrado na UNIP, em São Paulo. Com o desenvolvimento dos trabalhos, o 3D designer Cícero Moraes foi chamado para prestar auxílio técnico e ainda conquistou a parceria da Divisão de Tecnologia Tridimensionais do Centro Tecnológico da Informação Renato Archer (DT3D/CTI), vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações do Governo Federal do Brasil. Toda a pesquisa teve apoio do Programa de Suporte à Pós-Graduação de Instituições de Ensino Particulares (PROSUP) da Fundação Capes.

A história de alguns pacientes atendidos pelo Dr. Rodrigo Salazar Gamarra, que aceitaram participar de suas pesquisas para o desenvolvimento das primeiras próteses faciais, em 3D, como aluno da UNIP e voluntário do Instituto Mais Identidade, também estão no livro Identidade Cultural – da Literatura para a Razão.

A técnica
Com a câmera de um smartphone comum, o rosto do paciente é fotografado 15 vezes, em 5 ângulos, de 3 alturas diferentes e transferidas para um aplicativo online de fotogrametria (digitalização 3D por fotografia);

Após cerca de 20 minutos, a plataforma gera uma malha tridimensional da face digitalizada do paciente (imagens da coluna 1 do quadro abaixo);

Por meio de outra plataforma online e sob os reparos de um profissional de Design 3D, o lado da face do paciente sem deformidade é espelhado no outro que receberá a prótese. Desta etapa extrai-se o projeto para o molde, em 3D, da prótese.

O molde é impresso em 3D. A partir desta peça já é possível fazer o primeiro teste diretamente no rosto do paciente (coluna 3);

Da peça em 3D, o profissional produz um novo molde, agora em cera, com todos os detalhes mínimos da face do paciente captados pela fotografia, como o tamanho dos olhos, linhas de expressão, contornos etc. (coluna 4).

O molde de cera recebe várias camadas de silicone, cada uma pigmentada por tons compatíveis com a pele do paciente, além de outros acabamentos, como aplicação de olho de vidro e cílios, semelhantes aos naturais da pessoa. O resultado é uma prótese de silicone, leve, de tamanho proporcional e bastante semelhante ao rosto do paciente, capaz de ser ajustada diretamente na área deformada (coluna 5).

Sobre o programa de Mestrado e Doutorado da UNIP
Os programas de pós-graduação Stricto Sensu da Universidade Paulista – UNIP oferecem Mestrado em Administração, Comunicação, Engenharia de Produção, Odontologia e Patologia Ambiental e Experimental e Doutorado em Comunicação, Engenharia de Produção, Odontologia e Patologia Ambiental e Experimental. Os programas de Mestrado e Doutorado são oferecidos no campus Indianópolis, em São Paulo. Mais informações em www.posunip.com.br.

Sobre o Instituto Mais Identidade
Uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), formada por uma equipe multidisciplinar de cirurgiões-dentistas, médicos, fonoaudiólogos, psicólogos, enfermeiros, fisioterapeutas, assistentes sociais e nutricionistas, todos voluntários, especializados em todos os processos envolvidos para a reintegração biopsicossocial de pacientes que, por câncer, traumatismos, doenças congênitas etc., tiveram sua imagem facial afetada.

Livro Identidade Cultural da Literatura para a Razão
60 páginas
Autoria: Vanilda Ribeiro dos Santos
Curadoria: Luciano Lauria Dib
Fotografia: Márcio Lauria Filho
Textos em Inglês, Braille, CR code com Áudio descrições
Preço de capa: R$ 60,00