Rosa de Versalhes

Rainha Maria Antonieta, o grande sucesso Rosa de Versalhes revolucionou a história dos mangás femininos com questões sobre gênero, senso de justiça, direitos humanos apresentando a heroína empoderada Lady Oscar

O maior mangá shoujo de todos os tempos, Rosa de Versalhes, chega ao Brasil pela Editora JBC. Sucesso mundial da autora Riyoko Ikeda, essa é a primeira vez que a obra é publicado no País.

Produzido entre 1972 e 1973, na mesma época em que as reivindicações pelos direitos das mulheres começavam a ganhar evidência no mundo todo, Rosa de Versalhes já trazia questões sobre gênero, senso de justiça e direitos humanos, tendo como pano de fundo a Revolução Francesa. Á frente de sua época, Ikeda quebrou paradigmas e revolucionou a forma de se fazer mangá para o público feminino abrindo caminho e influenciando uma nova geração de mangakás dos mais diversos gêneros.

A trama é centrada em duas mulheres fortes: a primeira é Oscar François de Jarjayes, uma menina que foi criada como homem, e que se transformou em uma grande líder e responsável pela realização de grandes feitos. Lady Oscar, como é conhecida internacionalmente, mostra-se independente e respeitada por todos, sendo referência para as mulheres por sua força e destreza. A outra é a controversa Maria Antonieta, que acabara de ser prometida em casamento ao futuro rei da França por meio de um arranjo político entre seus países.

A História nunca foi tratada com tanta clareza e deslumbre. E nenhum mangá foi contado de forma tão sociológica e com tanta seriedade. Os mangás shoujo, que até então, eram zombados por terem ‘olhos com estrelas’, ganharam reconhecimento social pela primeira vez com esta obra monumental. , Mariko Hayashi, escritora japonesa (comentários no posfácio)

A história: Em meados do século XVIII, na França, o renomado General Jarjayes recebe a notícia que será pai de sua sexta filha. Aflito por não conseguir ter um filho para manter o nome e o prestígio da família, decide criá-la como menino, visto que nesse período somente homens podiam suceder o cargo de seu pai. Lady Oscar frequenta o colégio militar onde destaca-se, alcançando o título de capitã da Guarda Real. Como seu cargo é de confiança, fica sob sua responsabilidade zelar pela proteção da Rainha Maria Antonieta.

Após o tratado de paz entre a Áustria e a França, assinado quando Maria Antonieta se casa com o príncipe Luís XVI, Oscar passa a maior parte do tempo no Palácio de Versalhes, a morada real. Ela acompanha de perto com André, seu amigo desde a infância, o cinismo, as festas luxuosas, os escândalos e o estilo de vida da Corte Real.

A autora: Riyoko Ikeda
Natural de Osaka, é uma autora de mangás shoujo (gênero voltado para o público feminino) que se tornaram referência no Japão e no mundo. Em suas obras, Ikeda sempre apresenta cenários com entornos históricos como a Revolução Francesa e a Russa, tendo o título Rosa de Versalhes como grande sucesso de sua carreira.

Seu gosto particular por essa linha literária se deu a partir de leituras do romancista Stefan Zweig, autor de ‘’Maria Antonieta – Retrato de uma Personagem Central” (1932), despertando o interesse pela personagem e que serviu de inspiração para Rosa de Versalhes. Sua influência foi tamanha que, em 2008, a autora recebeu a Ordre National de la Légion d’honneur, na França, uma honraria por sua contribuição de conhecimento da história francesa no Japão. Para a mangaká, a história relatada mudou a percepção do gênero shoujo. Rosa de Versalhes ganhou grande prestígio não só no Japão, como no mundo todo, e acabou abrindo espaço no mercado para outras obras do gênero.

Ficha técnica: Rosa de Versalhes (Versailles no Bara) Autora: Riyoko Ikeda Volumes: Completo em 5 volumes (formato big) Preço de capa: R$ 43,90 Gênero: Drama/Romance Classificação Etária: 14 anos Distribuição: livrarias e lojas especializadas Editora JBC

Sobre a Editora JBC
A JBC é uma editora fruto e reflexo da união entre duas culturas. É a única do setor no Brasil a se dedicar exclusivamente à difusão da cultura japonesa através de seus produtos. A editora imprime uma média de 12 a 15 novos mangás por mês, o que significa um novo mangá a cada dois dias. Por ano, são publicadas em média 180 edições, com tiragens que variam de 15 a 40 mil exemplares. A JBC tem ainda o maior portfólio de livros sobre a culinária japonesa em português, com mais de 50 títulos. Estamos chegando aos 23 anos de história, o que ajuda a construir o nosso papel de provedora de conteúdo,